ANIVERSARIANTES & DATA

Comemoram idade nova no domingo, 5/7, em Pacaraima: LÍVIA ROCHA e HELDON MACHADO, o Gaúcho.

No domingo, 5/7, é comemorado o DIA INTERNACIONAL DAS COOPERATIVAS.

DESTINO

Vale de tudo na hora de homenagear uma das manias culinárias da internacional Berlim: criar um sofá em forma de salsicha, disponibilizar uma estação de aromas de ingredientes e até áudios que podem ser ouvidos em máquinas em forma de embalagem de ketchup.

Localizado em Berlim, o Currywurst Museum é mais uma daquelas maluquices alemãs que a gente adora ver (e visitar), nesta que é uma das mais vibrantes e alternativas capitais da Europa.

Esse museu é um local que presta uma divertida e informativa homenagem às famosas salsichas de porco, temperadas com ketchup e curry, conhecidas como currywurst, em alemão.

A ideia pode soar surreal, mas só para se ter uma ideia, a Alemanha consome cerca de 800 milhões de porções de Currywurst (70 milhões, só em Berlim), anualmente, segundo o próprio museu.

Nesse espaço interativo, o visitante é recebido com degustações do produto, jogos, exposições multimídias, atividades para crianças, réplicas das famosas lanchonetes de rua que funcionam em locais como trailers e até bonecos de salsichas que cumprimentam em diferentes línguas do mundo.

Assim como define o próprio museu, o local ‘é muito mais um espaço de experiência do que um museu típico’.

currywurstEntrada do Currywurst Museum, em Berlim

Foto: Divulgação

LANCHE

A Gol anunciou na sexta-feira (3/7) que voltará a oferecer snacks grátis em todos os seus voos domésticos a partir do fim deste mês. O “brinde” será um biscoito integral desenvolvido pela fabricante Mãe Terra para a companhia aérea.

Há cerca de dois anos, a empresa deixou de distribuir gratuitamente barrinhas de cereal e passou a vender produtos a bordo de seus voos nacionais, o que parece não ter agradado parte dos consumidores. Para as rotas internacionais, a oferta de refeições gratuitas não foi interrompida.

Mesmo com o novo snack gratuito, o cardápio de alimentos que os passageiros podem comprar continuará disponível “em mercados domésticos selecionados”, segundo a GOL. A GOL está buscando aproximar seus produtos e serviços do que o consumidor deseja. Com esse objetivo, ela anunciou recentemente que irá oferecer acesso á internet durante os voos.

DISFARÇA, NÓS ESTAMOS TE ESCUTANDO!

O site WikiLeaks divulgou no sábado, 4/7, uma lista com 29 números de telefone de autoridades e assessores do governo brasileiro que teriam sido alvo de espionagem da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês).

A relação, classificada como ultrassecreta, inclui, além de números da sala da presidenta Dilma Rousseff no Palácio do Planalto e do avião dela, contatos de integrantes do alto escalão do governo. Também foram espionadas pessoas próximas a Dilma, como secretários e assessores.

Segundo o WikiLeaks, a lista inclui o atual ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, que, na época das interceptações telefônicas, era secretário executivo do Ministério da Fazenda. Também foi monitorado o ex-chefe da Casa Civil de Dilma, Antonio Palocci, que foi ministro da Fazenda no governo Luiz Inácio Lula da Silva. Luiz Awazu Pereira da Silva, ex-diretor do Banco Central, também aparece na lista.

O ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil Luiz Alberto Figueiredo, que ocupou o cargo entre 2013 e o início de 2015, também teve o número de celular grampeado. Figueiredo é hoje o embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

Também foram espionadas as embaixadas brasileiras na França, na Alemanha, na União Europeia, na Suíça e nos Estados Unidos e o general José Elito Carvalho Siqueira, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional.

Para o editor-chefe do site, Julian Assange, “a divulgação mostra que os Estados Unidos terão que percorrer um longo caminho para provar que sua vigilância contra governos aliados acabou”.

Em 2013, Edward Snowden, ex-consultor de informática da agência, já havia feito denúncias de que a NSA espionou autoridades brasileiras, além de empresas estatais. A questão gerou desconforto entre os países e fez com que Dilma adiasse visita aos Estados Unidos. A divulgação da nova lista foi feita logo após a viagem da presidenta ao país. Em entrevista à imprensa, ela avaliou que a ida aos Estados Unidos foi extremamente produtiva e que a relação do país com o Brasil está agora em um novo patamar de possibilidades.

O Palácio do Planalto, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que não vai comentar o caso. O Ministério das Relações Exteriores está analisando as informações. A Embaixada dos Estados Unidos ainda não se pronunciou.

GAY

O documentário brasileiro Gazelle – The Love Issue, de Cesar Terranova, que conta a história de um comissário de bordo e seu alter-ego artístico, a drag Gazelle, abriu na noite de quinta-feira (2/7), no Cine Odeon, na Cinelândia, o Rio Festival Gay de Cinema 2015.

Integralmente voltado para o cinema de gênero e sexualidade, o evento ganha, nesta quinta edição, mais visibilidade, com um número maior de espaços de exibição.

São ao todo 124 produções – 27 longas e 93 curtas-metragens, distribuídos em programações que abordam a temática sob diferentes pontos de vista. O Panorama Nacional  apresenta 9 filmes, em sua maior parte documentários, como o que abre o festival e os que retratam as vidas do escritor Caio Fernando Abreu (Para sempre teu Caio F., de Candé Salles) e do artista plástico Leonílson (A Paixão de JL, de Carlos Nader).

O Panorama Internacional vai receber 18 filmes inéditos. Entre eles, o documentário Game Face, coprodução da Bélgica e dos EUA, dirigida por Michiel Thomas; e o filme B, de ficcão científica e horror, Dyke Hard, da sueca Bitte Andersson. Os dois cineastas estão no Rio para apresentar seus filmes.

Game Face trata da homofobia no mundo dos esportes. Conta a trajetória de uma lutadora transexual e de um jogador de basquete gay. Ainda na programação internacional, destacam-se o primeiro filme de tema gay do Sri Lanka, Frangipani, e a produção argentina Atlantida, da cineasta Ines Maria Barrionuevo.

Os demais títulos se dividem entre as mostras competitivas de curtas nacionais (11 filmes) e internacionais (27), e as não competitivas de curtas (11 filmes). Haverá também 30 curtas DIV.A (diversidade em animação e 14 em Transcinema.

O Rio Festival Gay de Cinema 2015 – Todos os Gêneros e Sexualidades tem o patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e da Secretaria Municipal de Cultura. A programação completa está disponível no site www.riofgc.com.

GAY II

Do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, sobre a legalização do casamento gay nos Estados Unidos ocorrida semana passada: “Essa foi uma matéria em que fomos pioneiros no Brasil. O que vale a vida são os nossos afetos. Impedir uma pessoa de colocar a sua sexualidade onde mora o seu desejo é depreciar os seus sentimentos e violar a sua dignidade”.

Barroso foi autor da ação em que as uniões homoafetivas foram equiparadas às uniões estáveis convencionais, em 2011, no Brasil. Ele era advogado e propôs a ação em nome do Estado do Rio de Janeiro.

Luis-Roberto-BarrosoLuís Roberto Barroso  

Foto – Carlos Humberto / Divulgação

LEMBRANCINHAS

As autoridades italianas não estão satisfeitas com a versão do ex-premiê Silvio Berlusconi sobre os presentes estimados em mais de 7 milhões de euros (R$ 24 milhões) que ele deu para a marroquina Karima El Mahroug, uma das jovens que teriam participado das famosas orgias promovidas por ele em 2010, e que ficaram conhecidas como “bunga bunga”.

Na época, Karima tinha apenas 17 anos, e a desconfiança é que ela tenha sido subornada por Berlusconi para negar ter participado de qualquer “evento” promovido por ele.

Outras garotas, inclusive uma brasileira, teriam recebido cerca de 3 milhões de euros (R$ 10 milhões) em dinheiro do bilionário.

Uma nova audiência para esclarecer o caso deverá ser agendada em breve. No fim deste mês, Berlusconi deverá receber o veredito sobre as acusações de uma espécie de mensalão que ele promoveu quando estava no poder, em 2006, para persuadir membros da oposição a ficarem do seu lado. Somente para um senador, ele teria pago propina de 3 milhões de euros.

File photo shows Italy's former PM Berlusconi gesturing on a television show in RomeSilvio Berlusconi

Foto – Getty Images

HOMENAGEM

Foi da maneira mais silenciosa possível que o programa Natura Musical, em parceria com a diretora Bia Lessa concebeu uma mega exposição em homenagem aos 50 anos de carreira de Maria Bethânia.

A expo foi aberta ao público na quinta-feira, (2/7), no Paço Imperial, no centro do Rio de Janeiro. A própria Bethânia não sabia da super homenagem que estava prestes a ganhar e ficou um tanto surpresa durante sua visita ao local.

Em ‘Maria de todos nós’, estão reunidos nada menos do que cerca de 1.400 obras e objetos relacionados a trajetória da cantora, realizados por mais de 160 artistas, dentre eles Carlos Bracher, os irmãos Campana, Zélia Duncan e Maria Luísa Mendonça.

maria-bethania-em-foto-com-milton-nascimento-clique-esta-em-exposicaoMaria Bethânia, em foto com Milton Nascimento: clique está em exposição

ARTIGO

As trevas emergiram ao protagonismo

Publicado em 03/07/2015

Deputados líderes de partidos, que iriam votar “Não”, pediam para se manifestar e tinham a palavra negada. Ou, quando ela lhes era dada, o microfone era cortado no meio da fala, aos risos, provocações e chacotas de bolsonaros e malafaias. Este é o novo congresso brasileiro.

E o cordão dos puxa-sacos pedia a palavra a cada minuto para louvar o “espírito democrático” do presidente. Um espetáculo de escandalosa hipocrisia como só se vê no teatro ou em pregação de seitas para extorquir as economias de seguidores ingênuos. Isso, os deputados em questão faziam com traquejo de PhDs.

Sem esquecer os truculentos, com aspecto de milicianos tiranos de comunidades de infelizes desfavorecidos, ou alguns políticos coronéis do Nordeste, há gerações se alimentando do sangue sertanejo e assim pretendem continuar a fazer. Ou mesmo o espetáculo patético dos coxinhas saltitantes de terno e colarinho, esgoelando “nós temos a Força”, julgando ser o herói He-Man no Castelo de Greyskull, porém de fato alinhados às forças do maligno Esqueleto, que “planeja mil trapaças e nunca vai desistir”.

Quem assistia às cenas de casa, deprimia-se. Apavorava-se. Pois aquela era uma amostra, ainda pálida, do futuro sombrio que se delineia para nosso país.

Um ‘representante do povo’ agarrou o microfone eufórico para dar a má notícia – como se ótima fosse – de que a popularidade da chefe da nação, segundo pesquisa daquele momento, baixara à marca de um único dígito. Alcançávamos a instabilidade institucional.

Já de madrugada, estávamos assistindo, ao vivo e a cores, no conforto de nossas camas, ao desconforto do processo célere de um golpe anunciado.

Jamais imaginei ser plateia de tal espetáculo de horrores, quando menos importava o conteúdo da Lei 171 e muito mais a ironia emblemática do seu número, inspirando picaretagem, aplicável a tantos ali presentes, com ares superiores de quem queria deixar claro sua atual preponderância sobre os destinos da Pátria.

Voltamos à Idade Média, não duvidem.

Foi de grande eficiência a lavagem cerebral operada sobre as mentes desprotegidas do povo trabalhador, sem tempo e sem opções para diversificar suas opiniões, já que no Brasil se pratica o monopólio da mídia de massa, por grande e única responsabilidade de sucessivos governos subservientes e coniventes com os grandes grupos de comunicação.

Sem esquecer os analfabetos funcionais, que candidamente se julgam plenamente capazes de perceber e avaliar os fatos com clareza. São as presas mais fáceis dos manipuladores.

A mídia mais poderosa, o empresariado conservador e os partidos de oposição, acreditando poder moldar o quadro nacional ao seu gosto, se homiziaram a esse esquema político maléfico, que naquela noite se mostrou incontrolável e sem limites, e eles já devem agora estar projetando seus prejuízos e arrependimentos.

Só nos resta chorar e aguardar o desenrolar desse drama, como inexpressivos figurantes sem fala da última fila do coro. As trevas emergiram ao protagonismo.

Hildegard Angel – Jornalista

ARTIGO II

Crianças de hoje

Essa expressão tornou-se um clichê generalizado na sociedade brasileira.  Interpretada literalmente seria uma obviedade, mas o sentido figurado quer dizer que as crianças de hoje são mais difíceis de lidar do que as de outras épocas.

Essa visão também era a mesma que tinham os pais há 20, 40, 60 anos em relação às crianças da época. Sempre se entende que as crianças de outrora eram mais educadas, mais dóceis e gentis.

Muitos pais costumam dizer que “no meu tempo bastava um olhar de minha mãe, do meu pai”. Nem tanto ao céu nem tanto ao inferno. Esse olhar era o bastante, significava a escola entre a obediência irrestrita – e às vezes nem isso adiantava mais – ou castigos físicos impiedosos. Não era respeito. Caso desobedecessem, as surras seriam impiedosas, torturantes; violência ao extremo.

Certo ou errado, tratava-se de um valor positivo consolidado. Hoje, os pais estão perdidos, como estavam também há uns 30, 40 anos. Tanto que era comum se ouvir muita gente afirmar com galhardia que “não era pai, mas um amigo para os filhos”.

Esse modelo progrediu para um vale-tudo, para pais que não são nem pais nem amigos. Hoje estão confundindo liberdade com libertinagem; desrespeito com criatividade, com falta de limites; e demonstração de fraqueza com virtude. O resultado são pais totalmente dominados pelos filhos.

Qualquer um gosta de demonstrar força frente a alguém detentor de poder.  A criança começa a dominar os pais em tenra idade pelo choro tolo, aparentemente inocente, para ganhar coisas, conseguir ficar onde precisa, deixar de fazer o que deve e determinar o que os pais devem ou não fazer. Espalhar brinquedos para os pais recolherem é a atitude mais comum.

Dominados os pais, a necessidade de expandir território leva à tentativa de sujeitar parentes e amigos aos seus caprichos e birras. Como dominar é bom, continuam na busca do domínio total sobre todos.

Uma vez que em casa esse domínio é encarado com naturalidade, a criança esperta passa a se comportar em qualquer lugar do mesmo modo. Sempre a demonstrar sobreposição aos pais. Sobe no sofá e risca a parede da casa do vizinho. Nesse momento, meio com caras de desentendidos, os pais dão risinhos e passam a olhar a reação dos presentes. E repetem a justificativa de que aquela criança é demais, incontrolável mesmo, como a dizer que “se ele fosse seu filho, você também não o educaria”.

Os mais mancomunados costumam pedir para não fazer aquilo “porque fulano/beltrano não gosta”. Atire a primeira pedra quem gosta de ter uma parede riscada por alguma criança descontrolada do melhor amigo.

Quase todos os pais que não educam os filhos tentam passar a impressão de que o seu pupilo é incontrolável; os outros tiveram sorte de ter filhos bonzinhos; e não se dão conta de que criança nenhuma é tola e qualquer um se aproveita de quem se deixa dominar.

Essas transgressões progridem. Quando maiores começam a não ir às aulas, ficam na rua sem horário de retorno e os mais enérgicos mandam os pais se calarem a boca ou se foderem. Poucos passos adiante e a sociedade sofrerá as consequências de um delinquente matando na direção de um carro ou, nos casos mais graves, de arma em punho.

Nesse ponto chega-se à frase de que “ninguém perde filho para as ruas, são perdidos em casa”. E de pouco a pouco, de forma progressiva.

Nem maus-tratos nem mão de pelica. Educação requer esforço, compreensão, momentos para dizer sim, muitos outros para dizer não; noutros, um não definitivo. O chavão “que mundo queremos deixar para nossos filhos, mas que filhos queremos deixar para o mundo” precisaria ser encarado com mais realidade do que como mero clichê.

Pedro Cardoso da Costa – Interlagos/SP

     Bacharel em direito

“NÃO HÁ DEMOCRACIA ONDE O VOTO É OBRIGATÓRIO”