NOTÍCIAS INTERNACIONAIS – O ministro da Agricultura da França, Didier Guillaume, solicitou no sábado (3/11) às autoridades da região de Indre, no centro do país, a suspensão “imediata, como medida de precaução” da atividade do matadouro municipal de Boischaut após a difusão por um vídeo chocante da L214, conhecida associação francesa que luta pelos direitos dos animais, confirmando os abusos contra o rebanho no local…

0
34

NOTÍCIAS INTERNACIONAIS

PÁRA, PRA ACERTAR!

Um trabalho de pesquisa apresentado na Universidade de Yale reporta que o sistema de classificação tradicional do mundo financeiro, o GICS, está inerentemente errado, já que omite relevantes fatores de sustentabilidade.

Na outra ponta do espectro, o sistema de classificação SICS, criado pelo Conselho de Padrões Contábeis de Sustentabilidade (SASB – Sustainability Accounting Standards Board) está errado, pois superenfatiza as métricas de sustentabilidade em comparação com as métricas financeiras tradicionais.

O executivo-chefe de investimentos da Richmond Global Compass Fund, Decio Nascimento, apresentou o trabalho intitulado “Classificação industrial e padrões ambientais, sociais e de governança (Industry Classification and Environmental, Social and Governance (ESG) Standards)”, no Simpósio da Iniciativa de Finanças Sustentáveis de 2018 da Universidade de Yale sobre o Estado dos Padrões para Divulgação de ESG em 2 de novembro de 2018.

A Richmond Global Compass concluiu que a integração dos dois sistemas através da sobreposição dos grupos industriais da classificação SICS sobre aqueles da classificação GICS cria um sistema de classificação mais preciso, um sistema que diminui de forma significativa as correlações entre setores diferentes.

Este resultado é impactante, pois demonstra que a confiança em ambos os sistemas inferiores deturpa certos fatores de risco dentro do portfólio de um gerente e, assim, poderia ser uma violação da obrigação fiduciária.

A Richmond Global Compass apresentou dados empíricos conclusivos a partir de seu estudo. Primeiramente, os sistemas de classificação GICS e SICS foram testados individualmente. Deve-se destacar que a Richmond Global Compass demonstrou que o GICS obteve melhores resultados do que o SICS na classificação de firmas de características similares juntas. Uma das explicações fornecidas foi que o GICS é usado atualmente para classificar mais de 95% dos mercados de capitais, reforçando o circuito de retorno entre o sistema e os gerentes que o implementam.

Depois a firma levou o estudo mais adiante e integrou os dois sistemas, através da fusão dos 11 setores GICS com os 10 setores SICS, para criar um novo sistema de classificação com 110 setores potenciais – alguns setores eram conjuntos vazios, portanto o número real de setores ficou entre 30 e 40. A Compass então testou este sistema de classificação da mesma forma que fez com o GICS e com o SICS e os resultados foram surpreendentes: sobre vários conjuntos de dados, tais como os índices S&P500 para sociedades de pequena e grande capitalização, S&P1500 para sociedades de pequena e grande capitalização e as sociedades de pequena e grande capitalização do Reino Unido, 95% dos setores apresentaram melhorias em suas correlações entre setores. Ou seja, as empresas que foram classificadas em diferentes setores provaram estar menos relacionadas entre si, em termos dos movimentos dos preços de suas ações. Além disso, dentro dos 95% dos setores que apresentaram melhorias, a magnitude média destas melhorias foi de 51%.

A Richmond Global Compass acredita que mais trabalho deve ser feito nesta área, mas as conclusões do estudo inicial são promissoras. Na medida em que a Compass desenvolve sua plataforma de aprendizado de máquina, o conhecimento da firma sobre a relevância melhorará e um sistema de classificação ainda mais forte poderá ser desenvolvido, o qual equilibre de forma apropriada todas as métricas relevantes financeiras e não financeiras. Um gerente que utilizar um sistema de classificação mais adequado terá um melhor entendimento dos riscos contidos eu seu portfólio, o que será especialmente importante em tempos de crise.

A Richmond Global Compass acredita que os mercados inevitavelmente adotarão um sistema refinado de classificação, o qual irá impulsionar os mercados e o mundo para uma direção mais sustentável.

Para mais informações, visite o endereço https://rgcompass.com

——————————————————————————————————

INOVAÇÃO

Em fevereiro de 2019, LOUIS XIII dará um passo em direção ao futuro ao integrar a tecnologia NFC no seu Decantador Inteligente para oferecer aos clientes um acesso perfeito a um mundo exclusivo de privilégios.

Cada decantador irá ligar diretamente os clientes à Sociedade LOUIS XIII, um clube privado onde os membros podem usufruir de conteúdo exclusivo, experiências únicas e serviços personalizados através dos seus smartphones.

UM PEQUENO CHIP NFC INTEGRADO NA ROLHA DE CORTIÇA DO DECANTADOR LOUIS XIII

Após remover o selo, os clientes têm apenas de ligar e passar os seus smartphones com NFC pela rolha de cortiça para aceder à página inicial da Sociedade LOUIS XIII para criar ou entrar na conta.

O número do decantador ficará registado automaticamente.

ESTA INOVAÇÃO IRÁ OFERECER UM ACESSO PERFEITO À SOCIEDADE LOUIS XIII*.

Graças a este pequeno chip NFC, os clientes LOUIS XIII terão acesso facilitado a todas as vantagens da Sociedade LOUIS XIII. Este clube privado oferece serviços personalizados, como gravação personalizada do decantador, pré-lançamento de edições limitadas, contacto com um Conselheiro Pessoal LOUIS XIII para degustações privadas e experiências únicas, e um convite para a rede dos connoisseurs do Conhaque LOUIS XIII registados em todo o mundo. Além disso, o Decantador Inteligente LOUIS XIII oferecerá serviços adicionais aos clientes, permitindo-lhes personalizar mensagens de oferta que aparecerão quando os destinatários lerem o seu decantador.

LOUIS XIII COGNAC Smart Decanter services

Foto – Divulgação

——————————————————————————————————

TENDÊNCIA

A OKEx, bolsa de ativos digitais líder mundial de mercado, sediada em Malta, recebeu o prêmio “Bolsa de Criptomoedas do Ano” (Crypto Exchange of the Year), na primeira edição da Premiação de Blockchain de Malta.

O prêmio foi entregue em cerimônia realizada durante a Cúpula de Blockchain de Malta de 2018 (Malta Blockchain Summit 2018), para reconhecer empresas, especialistas e líderes que deram uma contribuição excepcional ao desenvolvimento da tecnologia de blockchain em Malta.

O prêmio Bolsa de Criptomoedas do Ano é julgado por 32 líderes e executivos do setor, com experiências combinadas no setor de blockchain. Três bolsas foram indicadas na categoria. A OKEx se destacou das demais finalistas, a Binance e a BitBay.

A OKEx é uma bolsa de ativos digitais líder mundial de mercado, fundada em 2017, que oferece serviços de negociações (trading) de ativos digitais, incluindo negociações de tokens e de futuros, além do rastreador de índices para negociadores globais com tecnologia de blockchain. Atualmente, a bolsa oferece mais de 400 pares de negociação de tokens e futuros, capacitando os usuários para otimizar suas estratégias. A plataforma fornece um ambiente seguro, confiável e estável para negociações de ativos digitais, servindo milhões de clientes de mais de 100 países.

——————————————————————————————————

CARROS

Oferecida pela Nan Kwong (Group) Company Limited, a exposição deste ano reuniu especialistas técnicos, estudiosos da indústria, executivos seniores e elites da mídia de marcas próprias como: FAW Group, Dongfeng Motor Corporation, grupo Changan Automobile, GAC Group, SAIC Motor , JAC Motors, Golden Dragon, Yutong Bus e Jiangxi Kama Business Bus Co., Ltd. (BONLUCK BUS) e empresas mundialmente famosas como Audi AG, Mercedes-Benz, BMW, Xiaopeng Motors, Qiantu Motors e NIO.

Questões relacionadas com a exportação de veículos montados e partes dianteiras chinesas foram discutidas a nível nacional com embaixadores e conselheiros de Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Timor-Leste com a China.

Mais de 20 associações renomadas de automóveis de países de língua portuguesa, bem como de países e regiões no Sudeste da Ásia, incluindo Portugal, Brasil, Malásia, Tailândia e Hong Kong, enviam há oito anos delegações a Macau para visitas e compras na exposição. O evento é bem visto pelos participantes e seus workshops sobre temas relacionados realizados no local têm resultados notáveis.

Em seu oitavo ano, a expo de automóveis de Macau está empenhada em criar uma plataforma para importação e exportação de automóveis entre a China e os países de língua portuguesa, a fim de promover oportunidades de negócios para as marcas chinesas de automóveis, indústrias upstream e downstream e indústrias de distribuição de automóveis em países de língua portuguesa.

——————————————————————————————————

CRUELDADE

O ministro da Agricultura da França, Didier Guillaume, solicitou no sábado (3/11) às autoridades da região de Indre, no centro do país, a suspensão “imediata, como medida de precaução” da atividade do matadouro municipal de Boischaut após a difusão por um vídeo chocante da L214, conhecida associação francesa que luta pelos direitos dos animais, confirmando os abusos contra o rebanho no local.

“A avaliação de inspeções específicas para a proteção de animais realizados em 2016 em todos os açougues havia mostrado que alguns progressos precisavam ser feitos na França, e, em particular, nos procedimentos de controle interno “, afirma o comunicado oficial do governo francês. As imagens transmitidas atestam, segundo o ministro da Agricultura da França, a necessidade de acelerar ainda mais o trabalho no treinamento do pessoal e sua supervisão pelos funcionários de proteção animal”.

Guillaume lembrou ainda que a luta contra o abuso de animais permanece mais do que nunca um assunto prioritário do governo francês e que ele se compromete “com a máxima firmeza diante de atos indesculpáveis”.

O ministro solicitou também à Brigada Nacional de Investigação Veterinário para abrir um inquérito administrativo.

A associação L214 transmitiu imagens de sábado de um vídeo de vigilância do matadouro municipal de Boischaut onde, segundo a organização, se pode encontrar “numerosas violações da lei que rege condições para matar os animais”.

——————————————————————————————————

PENDENGA

A CARI Corp está processando a United Virtualities (www.unitedvirtualities.com), provedora de tecnologia sediada em Nova York, que presta serviços a empresas listadas na Fortune 100. A autora da ação, CARI Corp, et al., cujo nome fantasia é RT Kraken, divisão da CARI Corp, alega descumprimento contratual, inadimplência, interferência ilícita, desconsideração da personalidade jurídica como uma empresa fantasma e faz diversas outras acusações. De acordo com a PacerMonitor, o processo número 1:18-cv-07034 foi distribuído ao juiz George B. Daniels no tribunal do Distrito Sul de Nova York.

Sobre a United Virtualities: A United Virtualities é alegadamente uma empresa fantasma, criada por Oren Barzilaye pelos irmãos Daniel Lopatin e Lucas Lopatin. Acredita-se que Barzilay, Daniel Lopatin e Lucas Lopatin fazem negócios com grandes empresas como Hewlett PackardL’Oreal ParisPepsiCoGoogleGlobal Clinical Conference e inúmeras outras, para realização de trabalhos de tecnologia, usando empresas fantasmas.

Alega-se que os indivíduos nomeados na petição inicial enviam os projetos a subcontratados na América Latina, caracterizando-os como empregados da Virtualities.

Sobre a autora da ação: A empresa (United Virtualities), de acordo com a petição protocolada no tribunal federal de Nova York, é uma empresa fantasma.

A petição alega que a empresa declara que tem sede em Nova York. De acordo com a petição, quando a autora de ação descobriu que os irmãos Lopatin estavam aliciando seus empregados e se apropriando de suas informações patenteadas, a autora tentou contatar os Irmãos Lopatin para resolver o problema. A petição declara que os irmãos Lopatin deixaram de pagar a autora por contratos de serviços em contas como a da L’Oreal, como um meio para alavancar uma liberação da técnica de aliciamento.

Quando a autora da ação tentou contatar os irmãos Lopatin, nenhuma resposta foi obtida. A autora se dirigiu ao endereço constante no website da United Virtualities e no perfil da Bloomberg, só para descobrir que não havia empregados ou equipe presentes, conforme alegado na petição. A petição alega ainda que o endereço encontrado formulário 1099 da empresa, 34 E 67th Street, Nova York, também é um endereço falso.

De acordo com a ação, os irmãos Lopatin, sob o nome de “United Virtualities”, sequer têm registro para fazer negócios em Nova York, nem estão quites com tributos. A petição alega ainda que os irmãos Lopatin, através da United Virtualities, empregam subcontratados para cumprir seus contratos com essas grandes empresas. Esses subcontratados trabalham, tipicamente, na América do Sul, por remuneração extremamente reduzida. De acordo com a petição, a United Virtualities dá a esses subcontratados endereços de e-mail da unitedvirtualities.com, para enganar e induzir seus clientes a pensar que eles são empregados da United Virtualities.

Além disso, a petição alega que Barzilay e os irmãos Lopatin se valem de uma rede financeira duvidosa, que parece ter sido arquitetada em 2000 por Oren Barzilay, e agora é supervisionada à distância por Erik Laurenceau, supostamente vice-presidente de Vendas da United Virtualities. Oren ou alguém próximo a ele parece ainda estar envolvido, pagando as contas a partir de um escritório ocupado por uma entidade beneficente argentina em Nova York, denominada Fundação Internacional Raoul Wallenberg (IRWF – International Raoul Wallenberg Foundation).

A autora pede pagamento de indenização pela United Virtualities e por qualquer empresa subsidiária, bem como por Daniel Lopatin e Lucas LopatinOren BarzilayErik Laurenceau e Dan Hymson.