NOTÍCIAS NACIONAIS – Ricardo Boechat Foto – Reprodução/Band – O jornalista Ricardo Boechat morreu na segunda-feira (11/2), aos 66 anos, na queda de um helicóptero em São Paulo…

0
105

OBITUÁRIO

 

O jornalista Ricardo Boechat morreu na segunda-feira (11/2), aos 66 anos, na queda de um helicóptero em São Paulo.

A aeronave caiu sobre um caminhão no km 22 da Rodovia Anhanguera, próximo ao Rodoanel Mário Covas.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, ele e o piloto, Ronaldo Quattrucci, morreram carbonizados. O motorista do caminhão ficou ferido e foi socorrido.

Boechat estava dando uma palestra em Campinas, no interior do estado, e retornava a São Paulo nesta segunda, de acordo com jornalistas da TV Band.

Boechat trabalhou no Jornal do Brasil no início dos anos 2000. Ele também passou pelo “O Globo”, “O Estado de S. Paulo” e “O Dia”.

Na década de 1990, teve uma coluna diária no “Bom Dia Brasil”, na TV Globo.

Atualmente, o jornalista era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM e colunista da revista IstoÉ. Ele ganhou três vezes o Prêmio Esso.

Boechat nasceu em Buenos Aires, na Argentina, e começou a atuar em redações em 1970, no Rio de Janeiro.

Na década de 1980 trabalhou em O Globo e é discípulo de Ibrahim Sued, e, ao longo da carreira, acumulou passagens por veículos como: Jornal do Brasil, onde trabalhou com Zózimo Barroso do Amaral, SBT e O Dia. Ele também foi Secretário de Comunicação Social do Estado do Rio de Janeiro, em 1987. Em 2005, entrou para o grupo Bandeirantes, em que era âncora do Jornal da Band e do jornal da manhã da rádio Band News FM. Premiadíssimo, Ricardo Boechat ganhou três Esso e é o recordista em troféus Comunique-se.

Ele era casado com Veruska Seibel, desde 2005, com quem tinha duas filhas: Valentina, 12 anos e Catarina, de 10. O jornalista deixa outros quatro filhos: Bia, 40, Rafael, 38, Paula, 36, e Patricia, 29, frutos do primeiro casamento com Claudia Costa de Andrade. Boechat era um frequentador assíduo do restaurante Kosushi, em São Paulo, e todos por lá também estão chocados com a notícia.

A morte do jornalista teve grande repercussão nas redes sociais. O presidente Jair Bolsonaro comentou que recebeu com pesar a notícia.

Também foi eleito o jornalista mais admirado do País na pesquisa do site Jornalistas&Cia em 2014.

O apresentador José Luiz Datena interrompeu a programação da Band nesta tarde para confirmar a morte de Boechat. Emocionado, Datena disse que ele era “uma pessoa especial” e um dos maiores jornalistas do País.

Boechat era torcedor do América-MG, que prestou homenagem ao jornalista nas redes sociais.

Jornalistas e admiradores também lamentaram a morte de Boechat. “Tristeza e luto nessa tragédia para o jornalismo brasileiro. Perdemos uma referência para o jornalismo combativo e questionador”, escreveu Flávio Fachel, apresentador do Bom Dia RJ. “Tá difícil de segurar a onda por aqui. Um dia choro por centenas, noutro por dezenas, agora choro por um colega: Ricardo Boechat, agora não! O jornalismo precisa de você”, escreveu Milton Jung, da CBN.

A colunista do BR 18 e colunista do Estado Vera Magalhães chamou o jornalista de “referência do jornalismo, colunista, como âncora”. “Com tudo o que era, conseguia ser generoso com quem tinha menos experiência. No encontro que tivemos, me brindou com essa generosidade que nem sei se merecia.”

Já o jornalista André Trigueiro lembrou do período em que trabalhou com Boechat na TV Globo.

“Jornalista valente, corajoso, contundente, um dos grandes nomes dessa nossa profissão”, disse. “Ricardo Boechat era um voz contestadora na imprensa, fará muita falta”, lamentou Mauro Cezar, jornalista da ESPN.

A jornalista Miriam Leitão, da TV Globo, também falou sobre a morte do “querido amigo”. “Não posso acreditar. Eu lhe devo tantos favores, tantas palavras generosas em momentos difíceis. Você foi pessoa linda, jornalista maravilhoso.”

“Meus sentimentos para a família do Boechat, um dos melhores e mais geniais jornalistas e comunicadores do Brasil”, escreveu o comentarista internacional Guga Chacra.

Ainda de acordo com os bombeiros, a aeronave que caiu era do modelo BELL PT HPG. O helicóptero, uma aeronave Bell Jet Ranger, prefixo PT-HPG, fabricada em 1975, não era da emissora de televisão. Tinha capacidade para cinco lugares, estava com a declaração anual de inspeção de aviação válida até maio deste ano e com o certificado de aeronavegabilidade válido até maio de 2023. Ele pertence à empresa RQ Serviços Aéreos Especializados, cuja sede fica no Tatuapé, zona leste, empresa com uma frota de quatro aeronaves especializada em filmagens, fotografias e reportagem.

Em nota, o Palácio do Planalto lamentou a morte do jornalista Ricardo Boechat, que morreu nesta segunda-feira, 11, numa queda de helicóptero no Rodoanel, em São Paulo. O texto afirma que o País perdeu “um dos principais profissionais da imprensa brasileira”.

“A Presidência da República expressa seu pesar e condolências em razão do falecimento do jornalista Ricardo Boechat, vitimado em um acidente aéreo, neste dia. O País perde um dos principais profissionais da imprensa brasileira. Sentiremos a falta de seu destacado trabalho na informação da população, tendo exercido sua atividade por mais de quatro décadas com dedicação e zelo”, diz a nota divulga pela secretaria de comunicação da Presidência.

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) também se manifestou nas redes sociais. “Manifesto meus sentimentos às famílias de #RicardoBoechat e do piloto do helicóptero, aos profissionais da Rede Bandeirantes, rádio e televisão, extensivos à classe jornalística, pela triste notícia do acidente que os vitimou. Deus no comando.”

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), chamou Boechat de “um dos maiores jornalistas da sua história”. “Sua atuação diária demonstrava sensibilidade em defesa do interesse público e do jornalismo de qualidade. Toda a solidariedade a seus familiares, amigos e colegas da Rede Bandeirantes”, escreveu. Já o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), prestou condolências aos familiares e colegas do jornalista. “O Brasil perde um profissional ético, íntegro e talentoso.”

A ex-senadora Marina Silva (Rede) declarou ter recebido a notícia com “profunda tristeza”. Boechat fará uma falta enorme ao jornalismo, ainda mais nesse momento do país. Que Deus conforte sua família, amigos e colegas de trabalho nesse momento de perda e dor.”

Rodrigo Maia – presidente da Câmara dos Deputados
“Recebo com tristeza a informação sobre a morte do jornalista Ricardo Boechat e do piloto do helicóptero que caiu nesta manhã. Boechat foi um dos grandes comunicadores do nosso país e uma referência de bom jornalismo e independência. Minha solidariedade a seus familiares e amigos”, disse Maia, por meio da rede social Twitter.

Davi Alcolumbre – presidente do Congresso Nacional
“Foi em estado de consternação e tristeza que recebi a notícia da morte inesperada do jornalista Ricardo Boechat. Era um profissional reconhecido pelo trabalho e senso crítico aguçado revelado nos principais meios de comunicação do país. Envio meu sentimento de solidariedade aos seus colegas de trabalho e à toda sua família. Tenho certeza que os brasileiros lamentam a morte desse argentino que escolheu o Brasil como lar. Fica a saudade e o respeito pelo homem e jornalista que sempre demonstrou ser. Meu apoio fraterno também aos parentes e amigos dos demais ocupantes do helicóptero, que fatalmente caiu em São Paulo”, disse na rede social Twitter.

STF
Em nome da Corte, presidente do STF, ministro Dias Toffoli, manifesta pesar pela morte do jornalista Ricardo Boechat, ocorrida nesta segunda-feira, em São Paulo.

“Lamento a morte do jornalista Ricardo Boechat ocorrida nesta segunda-feira (11), em São Paulo. A imprensa e a sociedade brasileira estão em luto pela perda desse excelente profissional que com dinamismo e versatilidade levava a notícia aos públicos mais diversos, seja para quem o lia na coluna da revista Istoé, seja para quem o ouvia na rádio ou o assistia nos telejornais da Band. Presto minhas sinceras condolências à família, aos amigos e às empresas para as quais trabalhou ao longo de quase meio século de jornalismo”.

STJ

“Ao longo de quase 50 anos de carreira, o jornalista Ricardo Boechat construiu uma história marcada pelo profissionalismo, pela imparcialidade e pelo cultivo dos valores mais caros ao jornalismo, como a ética e o combate à corrupção. Jornalista multifacetado e premiado, Boechat consolidou seu nome entre os profissionais de imprensa mais respeitados do país. Com profunda tristeza, manifesto condolências aos familiares, amigos e todos os colaboradores do Grupo Bandeirantes”, diz a nota, assinada pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha.

########################################################

PLATAFORMA

Lilly Play

Foto – Reprodução

A farmacêutica Eli Lilly acaba de lançar no Brasil sua plataforma de streaming on demand, chamada Lilly Play. A fim de facilitar o acesso dos profissionais de saúde e médicos a conteúdos que aprofundem seus conhecimentos, o espaço virtual reunirá vídeos sobre doenças, artigos científicos, medicamentos, cobertura de congressos e aulas médicas.

De acordo com pesquisas, atualmente, 53% dos médicos preferem usar meios digitais para atualizarem seus conhecimentos técnicos sobre tratamentos, doenças e novos medicamentos. Além disso, as pesquisas também apontaram que 55% destes profissionais acessam vídeos com o objetivo de continuar se especializando na área em que atuam.

Outros benefícios da plataforma para os profissionais de saúde são providenciar informações que eles considerem relevantes para sua prática clínica, recomendar conteúdo de acordo com sua especialização e proporcionar uma melhor administração do tempo, garantindo que o conteúdo esteja disponível quando quiserem e onde estiverem.

O serviço é completamente grátis e o cadastro no site está disponível apenas para médicos e profissionais da saúde. Isso porque, no momento do cadastro, será necessário inserir o número do registro profissional, confirmado em tempo real em um sistema que cruza os dados inseridos no Lilly Play com o órgão responsável pelo registro. Confira o site no www.lillyplay.com.br.

########################################################

ABATE

Foto – Reprodução

Uma ação do Ministério Público do Pará (MPPA) denuncia um matadouro de carne bovina por funcionar de forma irregular em Medicilândia, no centro-oeste do Pará.

Os animais, segundo a ação, são abatidos de forma cruel, com marretadas nas cabeças, caracterizando maus-tratos.

O município e o proprietário são alvos da ação, que aponta total falta de higiene, abate cruel aos animais e despejo irregular de restos mortais no meio ambiente, contaminando o solo.

Segundo o MPPA, o matadouro, localizado no km 90 da rodovia BR-230, a Transamazônica, não possui condição de higiene para o abate e fornecimento de carne e vísceras para consumo humano.

Um relatório feito pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) concluiu que o açougue “não apresente condição para produção de alimento seguro e que há necessidade imediata de interdição para adequação”.

Ainda segundo o MPPA, uma inspeção feita pelo Grupo Técnico de Apoio Técnico Interdisciplinar (Gati), em dezembro de 2018, verificou que não há possibilidade de permitir o funcionamento do local, pois o mesmo descumpre as legislações ambientais, sanitárias e de consumo.

Entre as irregularidades encontradas na inspeção estão a falta de registro no serviço oficial de inspeção; funcionamento sem o controle; ausência de médico veterinário e auxiliares; construção inadequada; uso de equipamentos e utensílio inadequados; e restos de animais mortos e carcaças expostos.

A ação requer a interdição e lacre do local; que a prefeitura fiscalize o cumprimento de ordem, comunicando qualquer violação; que o município fiscalize os empreendimentos de abate de animais; definitivo fechamento do matadouro e encerramento das atividades obrigado o dono do açougue a destinar adequadamente os restos mortais na área; além da condenação do proprietário ao pagamento de R$200 mil por danos morais coletivos.

########################################################

CRIME

Foto – Reprodução

Dois cavalos morreram enforcados por uma corda amarrada em uma árvore no bairro Cascatinha, em Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio de Janeiro, na manhã de domingo (10/2).

Segundo a Prefeitura, o tutor dos animais já foi identificado e o caso será registrado na 151ª Delegacia de Polícia.

De acordo com uma mulher que passou pelo local e não quis se identificar, um dos cavalos era um filhote.

“Eu fiquei muito chocada. São duas vidas, uma falta de amor ao próximo. Foi uma cena muito triste”, lamentou.

A Prefeitura já fez a remoção do animais e informou que conseguiu a documentação dos animais e o endereço do tutor.

O município também informou que fará contato com esse tutor para avaliar as condições de outros animais que a família possui.